População não consegue todos os medicamentos na Farmácia Básica do Município

O drama dos pacientes que precisam de medicamentos gratuitos e deveriam ser fornecidos pela Rede Municipal de Saúde continua. Há meses, remédios básicos não são disponibilizados, os relatos da população são que, quando se encontra um, outro está em falta.
Algumas medicações para tratamento de diabetes, pressão alta, ansiedade e insônia estão em falta, além de fitas usadas para medição de taxa glicêmica, declara com indignação Maria das Dores Ribeiro, que trabalha como diarista e quando não encontra toda a receita médica na Farmácia Municipal, acaba comprando, o que lhe causa dificuldades financeiras, pois é a única a trabalhar para o sustento de sua residência, pois o esposo, de 56 anos, está desempregado há mais de seis meses.
Maria das Dores usa medicamentos para controle da pressão arterial, diabetes, colesterol, fibromialgia, insônia, ansiedade, além de vitaminas. “Tomo muitos tipos de remédios diferentes e não consigo pagar todos, quando não tem na farmacinha, às vezes deixo de tomar o remédio por não ter dinheiro. Toda vez é assim, tem um, mas não tem o outro”.
Nos últimos meses, a diarista afirma que tem conseguido a maioria dos medicamentos, porém não todos. “De um tempo para cá melhorou um pouco, tem mais remédios, mas nunca encontro a receita toda. Sempre tem dois ou três que tenho que comprar e no fim do mês fica apertado”.
O ácido acetilsalicílico (AAS), usado em tratamentos cardíacos e outras patologias, considerado medicamento básico e de baixo custo, também não está disponível no momento. Nesse caso específico, Maria das Dores salienta que a escassez é antiga.
Muitos medicamentos fornecidos pela Farmácia Básica da Rede Municipal de Saúde podem ser adquiridos em farmácias e drogarias particulares, através do Programa Farmácia Popular, do Governo Federal.
Medicação para tratamento e controle de pressão arterial, diabetes, asma, entre outras doenças são liberados gratuitamente e para alguns são oferecidos descontos de até 90%. Basta que o paciente, com a receita médica e documentos pessoais, se dirija a um estabelecimento credenciado.