Ao prestar queixa de agressão do ex-esposo, vítima diz ter ouvido da delegacia: “Deixe de frescura, e de fazer draminha, aqui não é o lugar para isso.”

No último sábado 14 a jovem Janaína Cavalcante se viu vítima da violência do ex-esposo a qual foram casados por sete anos e pai de seu filho de cinco anos de idade. Segundo a denunciante, a mesma foi na residência do seu ex para pegar o filho do casal, antes disso, a vítima ligou várias vezes mas seu ex-esposo alegou que não entregaria o filho do casal.
Segundo a vítima, chegando lá o mesmo não quis abrir o portão. Então em um momento de desespero; vítima pula o primeiro portão da casa, quando bateu na segunda porta, seu agressor abriu e já prendeu dentro de casa, começando a agredir na frente do filho, derrubando várias vezes ao chão e subindo encima da vítima, batendo cabeça contra o chão e apertando.
Na cabeça dela, a situação seria um flagrante. Ela levaria o agressor para a polícia, ele seria enquadrado pela Lei Maria da Penha e a jovem finalmente poderia se livrar daquela violência. Mas não foi o que aconteceu.
Segundo a vítima chegando na delegacia, a mesma foi tratada como “Bandida” por um integrante da polícia civil.
Segundo Janaina Cavalcante ao presta depoimento na DP um civil falou:
“Deixe de frescura, e de fazer draminha, aqui não é o lugar para isso.” Segundo a denunciante seu agressor está solto, quando era para ser detido em flagrante e deveria está enquadrado na lei MARIA DA PENHA!
Presa na humilhação que passou, por aqueles que deveriam está do lado da verdade.